Surgido na cidade Belo Horizonte durante a década de 1960, o Clube da Esquina foi uma movimentação musical promovida por um grupo bastante heterogêneo de músicos que, de diferentes origens estético-musicais, fundiram tais estéticas em originando uma sonoridade muito característica.

Milton Nascimento, até então compositor e intérprete bastante jovem no cenário da MPB, se apresenta no Festival Internacional da Canção de 1967, promovido pela TV Globo. A canção Travessia, parceria sua com Fernando Brant, é a segunda colocada nessa edição do FIC e Milton é contemplado com o prêmio de melhor intérprete e tanto sua maestria quanto a projeção conferida pelo prêmio possibilitou sua entrada definitiva no grupo dos grandes artistas da música brasileira.

Depois de gravar um álbum internacional e lançar mais dois álbuns no Brasil, é o quarto disco de Milton Nascimento, Milton [1970], que apresenta, pela primeira vez, a tal sonoridade do Clube e um raciocínio estético que seria mais amplamente explorado no álbum Clube da Esquina [1972].

Carregando os nomes de Milton Nascimento e Lô Borges, o clássico álbum reune arranjos de Eumir Deodato e Wagner Tiso, compositores como Milton e Lô, Márcio Borges, Ronaldo Bastos e Fernando Brant, além de duas releituras magistrais, Dos cruces e Me deixa em paz [com Alaíde Costa] e participações enfáticas e essenciais para o resultado sonoro final como Toninho Horta, Tavito, Nelson Ângelo, Beto Guedes, Luiz, Robertinho Silva, Rubinho e Paulo Moura.

#VEMPROCANTODOBRASIL